Rua Cuiabá, 576 - Sala 05 - Alto da Moóca, São Paulo/SP

  • (11) 2609-5326

Número de empresas abertas por mulheres cresce 7% em 2019

Em 2016, o empreendedorismo feminino representava 18% das empresas abertas. No ano passado esse númerou subiu para 25%

De acordo com dados da Contabilizei, escritório especializado em contabilidade, em 2019 houve aumento de 7% no empreendedorismo feminino na comparação com 2016. No ano passado, 25% das aberturas de empresas foram feitas por mulheres, enquanto em 2016 esse número era de 18%.

Mônica Moura, gerente de branding, disse que esse aumento pode ser explicado para que as mulheres consigam conciliar a vida particular com a profissional. "A gente vê que tem muitas mulheres jovens que também optam por modelos de trabalho que elas possam ficar mais próxima da família. Opta por esse modelo para que consiga conciliar a vida particular ao trabalho."

Empreendedorismo cresce

De acordo com a Receita Federal, o Brasil teve 2,8 milhões de empresas abertas até a última contagem feita em outubro de 2019, um crescimento de 18% em relação ao mesmo período de 2018.

As empresas abertas no regime MEI (Microempreendedor Individual) aumentaram 23%, com um total de 2,2 milhões, enquanto as não MEI aumentaram 5%, 550 mil registros a mais. O saldo de empresas abertas e empresas baixadas, excluindo o MEI, foi de 223 mil contra 201 mil em 2018, um crescimento de 11%. Em 2019, a participação do MEI na abertura de empresas foi de 77%

Guilherme Soares, VP de Growth da Contabilizei, credita esse crescimento à melhora da economia.

"A partir do momento que a situação econômica melhora, parte desses profissionais que antes ficavam na informalidade acabam tendo que se formalizar. Seja porque atingiu um volume de ganhos que para eles passa a fazer sentido ou seja porque o risco da informalidade no Brasil ficou mais alto. Além do custo mais baixo e a facilidade de formalizar."

Vitor Torres, Fundador e CEO da Contabilizei, comenta que a instabilidade econômica foi um dos fatores para a abertura de CNPJs. "A instabilidade econômica vivida pelo Brasil, que gerou a alta do desemprego, foi um dos acontecimentos que contribuíram para o aumento de CNPJs abertos. Muitas pessoas começaram o seu próprio negócio, outras passaram a atuar como profissionais liberais ou freelancers para se adequarem a esse cenário."

De acordo com o CEO, a expectativa é que esse cenário continue crescendo. "As pessoas já tomaram a iniciativa de empreender durante a crise, agora, com a economia se recuperando, ainda que lentamente, a tendência é que esse seja um caminho ainda melhor e mais forte."

"Com as empresas cada vez mais contratando esse tipo de profissionais acaba criando um mercado", completa Guilherme Soares.

Empresas abertas por regiões

A região Sudeste aparece com o maior crescimento absoluto em abertura de empresas em no ano passado, com 19,9% frente ao ano anterior, mas é a região Norte que teve o maior percentual de abertura, com 20,3%.

"As regiões Norte e Nordeste, assim como o interior de São Paulo, têm crescido significativamente em número de CNPJs, isso porque estas regiões passaram a ser mais vistas e têm mostrado um excelente desenvolvimento como pólo comercial fora das regiões Sul e Sudeste, que já estão mais saturadas", conclui Torres.

*Estagiário do R7, sob supervisão de Ana Vinhas